“In TAP airline the number of sick-leaves due to fatigue has been increasing”

Nuno Veiga da Fonseca

Interviewed by iSleep, Nuno Veiga da Fonseca, TAP flight attendant and member of the Board of the National Union of Civil Aviation, says that the Portuguese airline overburdens its staff with work hours, which leads to health problems and a very high sick-leave rate due to fatigue.

Shift work and irregular working hours of crew staff are basically a challenge to the biological clock, causing imbalances in professional and personal life. What measures have been taken in the aviation field to ease this problem?

To a certain extent, the measures being taken in the field are the exact opposite of what it takes to have a certain personal and family stability in the staff. According to current regulation, the daily working time limit is 14 hours, and it can extend to 18 hours, provided that there is a minimum resting time of 12 hours between flights. The weekly breaks, that must be planned every 7 days, are limited to 36 hours, counting from the moment of touchdown until the take-off of the next flight. The new European legislation, also known as Flight Time Limitations, which was approved by the European Parliament at the end of last year, is even more restrictive of crew rest and hardly sensitive to the crew’s personal and family life. However, staff working under collective labour agreements, or joint venture agreements, end up having a more protected personal and family life.

What about jet-lag?

There has been no concern about that matter. Current national legislation is too generic. In Europe, legislation and joint venture agreements are drafted with greater care, and the same can be said about the rest periods that reduce the problems caused by jet-lag. Unfortunately, in our country, the general attitude of airlines is to push the limits when it comes to making use of staff, which leads to a very high sick-leave rate due to fatigue and health issues.

I know that you recently had a hard jet-lag experience…

TAP now offers flights to Bogotá and to Panama City, Latin-American cities that are 6 hours away from Lisbon. A while ago I was on that flight and the result was waking up at Lisbon time every day during the stay, 8 a.m., which meant 2 a.m. in local time… I wasn’t able to rest properly except for the last day. Returning to Lisbon, it took me 4 or 5 days to recover.

What has to be done by airlines and other entities in the field to improve the quality of life and sleep of crew members?

Looking at good examples, as in the United States, and realising that the increase of working hours and decrease of rest periods and family and personal time produce situations of stress and wear that may lead to situations of serious insecurity.

Many passengers that take flights are unaware of whether the crew members have a rotative rest scheme for long-haul flights. Is there such a procedure? Do you have specific places to rest? And do you actually rest?

Some airlines have devices that enable rest in horizontal position, but only during long-haul flights. In Portugal, in all mid-haul flights, there are no rest places, although the working hours of the crew sometimes exceed 10 hours. When that space exists, it is located beside the passengers’ seats or in the take-off and landing seats…  It is important to note that rest always depends on the time availability to do so… If duty does not allow it or if there is any abnormal situation on the flight, rest is either short or non-existent.

What changes have to be made so that aircraft manufacturers and airlines that buy them provide for the crew’s rest inside an aircraft? Are those changes possible?

In most recent long-haul aircraft manufacturers have been trying to provide places in the plane that enable the crew’s rest. Airlines show this concern as well, but only because the flights are becoming longer and longer, with a increasingly lower number of crew members, within legal framework limits. It is not a very genuine “concern”…

In some reports of plane accidents, humane fatigue is found to be an important factor, or even the main cause. Which conclusions can be drawn from it?

The conclusions are very straightforward. In the ’80s the United States were first in the de-regulation of commercial aviation. There was an increase of working hours and a reduction of crew members per craft. The negative consequences were almost immediate. Meanwhile, this attitude has changed in the United Stated but, ironically, it started being reproduced by European countries. These countries have been preparing legal changes destined to reduce the crew’s rest. The Flight Time Limitations is an example thereof.

Are health and welfare of flight crews threatened in Europe?

Crew members are human beings, they need to rest so that their stress and fatigue levels don’t build up to the point of physical and mental breakdown. The long hours of work and the smaller and smaller rest hours, that affect the sleep cycles, are not the sole health issue. Cancer rate among crew members is incredibly high. The lower air oxygenation and the lack of humidity in the aircraft also have severe impacts in health.

Is there any curious story you recall from a flight involving sleep, or lack of it?

I recall one passenger who flew from Rio de Janeiro to Lisbon. It was obvious that he did not sleep much during his stay in the Brazilian city, because he instantly “blacked out” as he sat in his seat and he slept thought the whole 10 hours of the flight. Upon arrival at Lisbon, he had to be awaken by the crew members and, after all the other passengers disembarked, he literally went with his head against the overhead lockers until he reached the exit door. I also recall one time in which a passenger was flying to Lisbon from a small town in China. After the several connections he had to make, he was travelling for about 35 hours without any sleep. During the last 8 hours of flight, between Brazil and Lisbon, he did not have any sleep either and, when he finally arrived to the Portuguese capital, he insisted that his ticket had been stolen and that he was thus incapable of flying… to Lisbon. The lack of sleep and the accumulated fatigue were impairing his judgement in such a way that he completely blacked out during the last 8 hours and was convinced that he had remained in Brazil.

Comments are closed.

Nuno Veiga da Fonseca: “Na TAP há cada vez mais baixas por cansaço”

Nuno Veiga da Fonseca

Nuno Veiga da Fonseca, tripulante de voo na TAP e membro da Direcção do Sindicato Nacional de Voo da Aviação Civil, diz em entrevista ao iSleep que a companhia aérea portuguesa sobrecarrega os profissionais com horas de trabalho, o que se traduz em problemas de saúde e um número muito elevado de baixas por cansaço.

Os horários por turnos e irregulares das tripulações de voo desafiam o relógio biológico e causam desajustamentos na vida profissional e pessoal. Que medidas têm sido tomadas no sector da aviação para minorar este problema?

As medidas tomadas no sector têm sido, em certa medida, opostas a uma linha de estabilidade pessoal e familiar dos profissionais. Pela legislação geral em vigor o limite de tempo de trabalho diário é de 14 horas, podendo ser prolongado até às 18 horas, com um tempo mínimo de descanso entre voos de 12 horas. A folga semanal, que deve ser planeada a cada 7 dias é de apenas 36 horas, contadas entre o momento da aterragem do avião e a descolagem do mesmo para o próximo voo. A nova legislação europeia, também conhecida por Flight Time Limitations, e que foi aprovada no final do ano passado no Parlamento Europeu, é ainda mais limitadora do descanso das tripulações e muito pouco sensível  à vida pessoal e familiar dos tripulantes. No entanto, os profissionais  que trabalham ao abrigo de Regulações Colectivas de Trabalho, através de Acordo de Empresa, acabam por ter a vida pessoal e familiar mais protegida.

E em relação ao problema do jet-lag?

Não tem havido também preocupação a este nível. Há legislação nacional mas é muito genérica. A nível europeu existe maior cuidado na elaboração da legislação e dos acordos de empresa e também na aplicação de períodos de descanso que reduzam os problemas originados pelo jet lag. Infelizmente no nosso país a postura das companhias aéreas é a de “esticar” ao máximo a utilização dos trabalhadores, o que origina um número muito elevado de baixas por cansaço e problemas de saúde.

Sei que recentemente teve uma experiência de jet-lag acentuado  …

A TAP tem agora voos para Bogotá e para a Cidade do Panamá,  capitais latino-americanas que ficam situadas a 6 horas de diferença de Lisboa. Fiz este voo há pouco tempo e o resultado foi acordar durante todos os dias da estadia na hora de Lisboa,  8 horas da manhã, quando eram duas horas da manhã locais… Não consegui descansar convenientemente a não ser no último dia. Depois, de regresso a Lisboa, andei mais quatro ou cinco dias para me recompor.

O que precisa de ser feito pelas companhias de aviação e outras entidades do sector para melhorar a qualidade de vida e de sono das tripulações?

É preciso olhar para os bons exemplos, como o dos EUA, e perceber que o agravamento das horas de trabalho e as limitações ao descanso e ao tempo familiar e pessoal criam situações de stress e desgaste que podem vir a originar situações graves de insegurança.

Muitos passageiros que andam de avião desconhecem se as tripulações têm um esquema rotativo de descanso em voos de longo curso. Existe este procedimento? Têm locais próprios para descansar? E descansam efectivamente?

Há companhias aéreas que têm aparelhos onde é possível o descanso horizontal durante o voo mas apenas em trajectos de longo curso. Em Portugal, na totalidade das viagens de médio curso,  ainda que os tempos de trabalho das tripulações sejam por vezes superiores a 10 horas, não existe local para descanso. E mesmo quando esse espaço existe está situado junto dos passageiros ou nos bancos de descolagem e aterragem…  É importante acrescentar que o descanso decorre sempre da disponibilidade de tempo para o mesmo. Caso o serviço não o permita ou exista alguma situação anormal no voo o descanso não se faz ou é muito reduzido.

Que alterações devem fazer os fabricantes de aviões e as companhias que os compram para garantir o descanso das tripulações no interior de uma aeronave? São medidas viáveis?

Nas aeronaves mais recentes de longo curso existe por parte dos fabricantes a preocupação de enquadrar no avião locais que permitam o descanso das tripulações. Também da parte das companhias aéreas existe este cuidado mas apenas porque os voos estão a tornar-se cada vez mais longos e com um número cada vez menor de tripulantes, dentro dos limites legais. É uma “preocupação” que acaba por não ser genuína…

 

“Na Europa está a reduzir-se o tempo de descanso”  

 

Nos relatórios de alguns acidentes aéreos concluiu-se que a fadiga humana contribuiu para o mesmo ou foi a sua causa determinante. O que há a retirar destas conclusões?

As conclusões são muito simples. Na década de 80 os Estados Unidos foram pioneiros na desregulação da aviação comercial. Houve aumento dos tempos de trabalho e redução do número de tripulantes por aparelho. As consequências nefastas de tudo isto não se fizeram esperar. Entretanto, esta atitude já foi alterada nos Estados Unidos mas, por ironia, começou a ser seguida nos países europeus. Estes têm vindo a implementar alterações legais que vão reduzir o descanso das tripulações. O Flight Time Limitations é disso um excelente exemplo.

A saúde e o bem-estar dos profissionais da aviação estão ameaçados na Europa?

Os tripulantes são seres humanos, necessitam de repouso de modo a que os níveis de stress e fadiga não se acumulem ao ponto da ruptura  física e psíquica. As longas horas de trabalho e as cada vez mais reduzidas horas de descanso, perturbando os ciclos do sono, não são, aliás o único problema de saúde. A incidência de cancro entre tripulantes de aviões comerciais é altíssima. A menor oxigenação do ar e  a falta de humidade no ar dos aviões também tem consequências gravíssimas na saúde.

Há alguma história curiosa que conheça ou se recorde num voo relacionada com o sono ou a falta dele, envolvendo tripulação ou passageiros?

Lembro-me de um passageiro embarcado no Rio de Janeiro para Lisboa que era notório não ter dormido grande coisa durante a sua estadia naquela cidade do Brasil e que se “apagou” ao sentar-se no seu lugar e dormiu as quase dez horas de voo. À chegada a Lisboa teve de ser despertado pela tripulação, já após a saída de todos os outros passageiros e foi, literalmente, a chocar com a cabeça contra todas as bagageiras até à porta de saída do avião. Outra situação foi a de um passageiro que vinha para Lisboa e que tinha embarcado numa pequena cidade da China. Resultado das inúmeras ligações que foi obrigado a fazer estava em viagem, sem dormir, à cerca de 35 horas. Durante a última “perna” de 8 horas de voo, entre o Brasil e Lisboa, também não dormiu e quando chegou à capital portuguesa insistia que lhe tinham roubado os bilhetes porque queria ir… para Lisboa e agora não iria conseguir. A falta de sono e o cansaço acumulado, estavam de tal modo a comprometer o seu discernimento que ele “apagou” literalmente  as últimas oito horas de voo e achava estar ainda no Brasil.

Comments are closed.