Camilo Castelo Branco: “O primeiro acordar na cadeia é muito triste”

 

Camilo Castelo Branco escreveu em 1862 as memórias do tempo em que esteve preso na Cadeia da Relação do Porto, entre 1 de Outubro de 1860 e 16 de Outubro de 1861, por causa do processo de adultério a Ana Plácido. Camilo Castelo Branco conta em “Memórias do Cárcere”  a primeira noite em que dormiu na Cadeia da Relação do Porto:

“Tinha adormecido às quatro horas, quando as sentinelas cessaram de bradar o alerta, que rompe em oito vozes, puxadas d’ alma de quarto em quarto d´hora. Às cinco horas despertou-me o estrépito dos ferrolhos de muitas portas  e também da minha, que se abriam. O  primeiro acordar na cadeia é muito triste…

(…) As minhas noites eram repartidas em escrever até às duas horas, e escutar do leito, até à madrugada, os pregões das sentinelas. Quando o coração e o espírito caiam extenuados da luta, e o benfazer do dormir me vinha das mãos da natureza misericordiosa, abriam-se as portas e estalavam os tamancos.

In, Memórias do Cárcere, Camilo Castelo Branco, Parceria  A.M. Pereira,  Lisboa, 2001

 

Comments are closed.