“Há uma ideia pré-concebida de que dormir pouco é para os inteligentes”

moi cadeitra e livro (3)

Alberta Marques Fernandes, jornalista, pivot da RTP, diz em entrevista ao iSleep que sempre procurou dormir o mais possível para recuperar energias:adoro dormir, é uma sensação quase uterina e acordo sempre melhor”. Sobre Deus, diz que  Ele não dorme porque é… Deus.

Os jornalistas têm muitas vezes horários irregulares e nocturnos que afectam o ciclo sono-vigília. Acha que a classe está sensibilizada para este problema?

Acho que está minimamente  sensibilizada  o que não significa que alterem alguma coisa na sua vida.

Como jornalista como descreveria a relação dos portugueses com o sono? E comparativamente com outros cidadãos estrangeiros?   

Há uma ideia pré-concebida de que dormir pouco é bom, que é para os inteligentes. E que dormir muito é mau porque é para os preguiçosos.

O mundo moderno faz com que muitas pessoas durmam cada vez menos. Estamos a desafiar perigosamente o nosso relógio biológico?

Claro que sim, por alguma razão a privação do sono é uma das maiores torturas. Enquanto se dorme o organismo não para, apenas ativa funções que só acontecem durante o sono, funções reparadores. O cérebro também se mantém em funcionamento com outro tipo de actividade , menos sensorial.  Peço desculpa, estou para aqui a perorar sobre um tema que desconheço cientificamente mas é isso que penso que acontece…

No trabalho de reportagem teve muitas noites mal dormidas? Fez muitas directas?  

Não sou essenciamente repórter, sou pivot, mas já tive noites mal dormidas em reportagem, ainda que nunca tenha feito diretas. Aproveitei sempre cada bocadinho para dormir, mesmo em circunstâncias pouco habituais. Não tenho dificuldade em adormecer em qualquer lado desde que tenha sono.

Acontece-lhe acordar a meio da noite ou já de manhã com uma ideia relacionada com o trabalho jornalístico? Costuma registá-la?

Sim, acontece por vezes certas ideias  surgirem ao adormecer ou a meio da noite mas não costumo registá-las.

O que pensa da expressão Deus não dorme?

Deus não dorme porque é Deus.

A literatura e a arte retractam bastante o sono e o sonho.  Como as interpreta?  

O sonho faz parte do sono. É a tal atividade cerebral que só surge quando descansamos e não há estímulos exteriores . É quase como se estivéssemos a vaguear sem destino e sem controlo , a deixarmo-nos ir para lugares onde não vamos quando estamos acordados. A lugares dentro de nós. Acredito na interpretação dos sonhos e tenho sonhos recorrentes.

E qual um dos seus sonhos mais recorrentes?

O meu maior pânico é não chegar a horas, não estar pronta para um jornal. Esse é um dos meus sonhos recorrentes.

Já houve situações na sua vida pessoal em que o sono fosse bom conselheiro? Em que medida a ajudou? 

O sono ajuda sempre, adoro dormir, gosto de estar na cama, é um sensação quase uterina e acordo sempre melhor .

Adormece facilmente? É mais “coruja” ou “cotovia”? 

Adormeço muito facilmente e durmo normalmente 9 horas e mais ao fim de semana.

Lembra-se de alguma história divertida, pessoal ou profissional, envolvendo o sono ou a falta dele?

Lembro-me de uma vez ter de fazer o programa da RTP “Bom dia Portugal” e acordar às seis e meia da manhã. Às sete estava no ar sem maquilhagem e nos intervalos das peças duas maquilhadoras maquilharam-me, uma de cada lado.

Freud disse que “o sonho é o fiel guardião da nossa saúde psíquica, da nossa alegria de viver, uma vez que a vida não passa de uma contínua procura do prazer, contrariada pela realidade”…

Não estou completamente de acordo. Considero que devemos ter um lado sonhador, um espaço para a fantasia mas a vida concreta , real, a relação com os outros e as próprias contrariedades e obstáculos é que tornam a vida extraordinária. Se for bem vivida será com certeza muito saudável.

Pode contar-nos um sonho profundamente fantasioso que tenha tido?

Profundamente? Profundamente não me recordo. Sonho recorrentemente com os meus pais, que já faleceram e revivo o tipo de relacionamento que tínhamos em situações atuais.

 

 

 

 

 

 

 

Comments are closed.