“Homens que dormem quatro a cinco horas por noite têm níveis mais baixos de testosterona”

Teresa Paiva foi a convidada da 9ª edição das Olimpíadas da Saúde que decorreu no passado dia 24 de maio de 2019, organizado conjuntamente pela Escola de Medicina da Universidade do Minho e pelo Colégio Dom Diogo de Sousa, em Braga.

A neurologista e especialista em medicina do sono interveio numa conferência com cerca de 230 jovens alunos provenientes de diversas escolas do norte do país, logo após estes terem realizado provas teóricas e práticas para aferir os seus conhecimentos na área das Ciências da Saúde, no âmbito das Olímpiadas.   

Teresa Paiva alertou para as consequências nefastas da privação de sono, tanto em jovens como em adultos, bem como aconselhou algumas alterações no dia a dia para promover um sono reparador.

Teresa Paiva dividiu a sua intervenção em várias partes, Sono e a Ciência, Sono e o Corpo, Sono e o Cérebro e Sono e a Sociedade.

Na primeira parte, a especialista em medicina do sono abordou a questão dos ritmos circadianos, que acompanham a história do Homem, e são regulados pelo Sol. Na segunda parte, a neurologista falou sobre o funcionamento do cérebro e a sua relação com o sono.

No tema do Sono e o Corpo, Teresa Paiva deteve-se sobre a privação do sono e o risco aumentado de doenças como cancro, diabetes, hipertensão arterial, AVC.

Sobre a questão hormonal, a especialista em medicina do sono referiu que “os homens que dormem cinco horas por noite têm testículos significativamente menores do que aqueles que dormem sete horas ou mais”.

“Os que costumam dormir apenas de quatro a cinco horas por noite terão um nível de testosterona mais baixo, de alguém dez anos mais velho”, acrescentou.  

Num campo mais técnico, perante uma plateia de futuros profissionais da saúde, Teresa Paiva referiu que  “a privação do sono aguda amplifica a reactividade dos circuitos mesolímbicos de recompensa em resposta a estímulos de prazer. Esta amplificação associa-se a um aumento da conetividade com as áreas visuais primárias e límbicas, com redução do coupling frontal medial e orbitofrontal”.

Na abordagem sobre o Sono e a Sociedade, a neurologista falou sobre os graves  efeitos sociais das poucas horas de sono ou de um sono de qualidade. “Muitos acidentes de viação ocorrem por privação do sono”, disse. No campo económico,  “também há problemas de produtividade por se dormir pouco”, acrescentou.

You must be logged in to post a comment