Lisbon Sleep Summit foi um sucesso

O Congresso Lisbon Sleep Summit (LSS), dedicado ao sono das mulheres, foi um sucesso, envolvendo a participação de 325 inscritos que encheram o auditório Cardeal Medeiros, na Universidade Católica, em Lisboa.

Durante quatro dias, dezenas de especialistas nacionais e estrangeiros falaram sobre vários temas do sono no Congresso, suscitando muitas perguntas dos participantes e exposição de pontos de vista.

Recorde-se que os temas do Congresso, organizado pelo CENC-Dra.Teresa Paiva, foram muito variados : “Sono, genes e depressão”; “Neurobiologia do Sono na Mulher”; “Sucesso e Sono”; “O Sono das Mães”; “Doenças do Sono nas Mulheres e Foco na Insónia e Apneia”; “Coisas estranhas que as Mulheres podem fazer de noite”; “Dor, Fadiga e Dissónia”; “Sono ao longo da Vida”; “Violência e sono no contexto da agressão”; “Comparações Homem/Mulher nos Relógios Biológicos e na forma de Medir o Sono”; “O Triângulo Mágico: Sono, Nutrição e Exercício”

Os desafios que as mulheres enfrentam nas sociedades modernas, com a multiplicação dos seus papéis, trabalhadoras, donas de casa, esposas, mães, filhas de pais idosos a quem têm de prestar cuidados, foi uma das abordagens mais frequentes no Congresso.

Foi unânime entre os especialistas do LSS considerar que esta diversidade de papéis prejudica o sono das mulheres, que dormem menos horas e têm um sono menos reparador em virtude das preocupações que as afectam. Este “mau” sono faz com que as mulheres tenham mais doenças, como a ansiedade e a depressão.

A pressão social e cultural que incide sobre a mulher foi outro dos temas discutidos.

A amamentação dos filhos até aos dois anos ou mais de idade, com prejuízo do dormir das mulheres, o embelezamento que a sociedade machista lhes exige — e a que as mulheres aderem por preconceitos sociais – causando-lhes stress e prejudicando a sua saúde, como é o caso do uso de sapatos altos, a apneia do sono nas mulheres que não é diagnosticada ou é sub-diagnosticada por questões culturais, porque “fica mal uma mulher ressonar”, foram algumas questões levantadas pelos palestrantes no Congresso.

A influência da questão biológica no sono das mulheres teve também enfoque no Lisbon Sleep Summit.

As mulheres dormem pior do que os homens e as causas são atribuídas às questões hormonais, à menopausa, aos ciclos ou ritmos circadianos (que regulam o sono) e que  são diferentes em homens e mulheres.

Uma grávida, uma mulher na perimenopausa ou na menopausa terá diferentes estruturas do sono, maiores ou menores fases de REM ou um sono mais fragmentado, por exemplo.