“O jet lag impediu-me de vencer a maratona de Nagoia”

Aurora Cunha

Aurora Cunha foi uma das melhores atletas portuguesas de sempre, vencedora das maratonas de Tóquio, Paris, Chicago, Roterdão e três vezes consecutivas campeã mundial de estrada. Três  anos após o troféu na maratona da capital nipónica, em 1988, podia ter ganho a de Nagoia, também no Japão, mas o jet-lag fê-la ficar em segundo.

 

Que preocupações com o sono e comportamentos de higiene do sono tinha antes das provas?

A preocupação fundamental era deitar-me cedo de forma a poder dormir tranquilamente no mínimo oito em local sem barulho e arejado.

Recorda alguma prova onde a sensação de sono durante a noite tenha sido especialmente reparadora, com reflexos na prestação desportiva?

Recordo várias provas em que depois de uma boa refeição e de uma noite bem dormida, o relaxamento e o descanso reparadores foram fundamentais para bons desempenhos nacionais e internacionais.

 E o inverso,  houve alguma prova que lhe  tenha tirado o sono,  reflectindo-se no seu rendimento?

Não me recordo de nenhuma prova com destaque que me tenha afetado o sono. Normalmente controlava bem a ansiedade e o nervosismo e o stress da prova não me afetava nos dias e nas noites que a antecediam.

Conviveu com muitos atletas de outros países . Apercebeu-se de diferentes comportamentos de higiene do sono em relação aos seus ou ao dos portugueses em geral? Por exemplo, os holandeses dormem mais de janelas abertas para seguirem os ciclos de luz… 

Não me apercebi dessas diferenças pois os momentos competitivos em estágios internacionais ou competições oficiais eram de grande recato e de preservação pelo espaço de cada um.

Em provas internacionais, em países com diferentes fusos horários, teve problemas de jet lag?  

Sim, tive algumas situações problemáticas. Recordo a maratona de Negoia, no Japão. Devido à diferença horária tive grande dificuldades de adaptação. Não consegui dormir na noite anterior ao dia da prova pelo que estive a baixo do meu rendimento normal, o que me impediu de vencer a prova.  Obtive o segundo lugar.

Nas provas de maratona que tipo de pensamentos se lembra de lhe terem surgido? Alguns relacionados com sono?

Durante as mais de duas horas de corrida os pensamentos são muitos e variados. Desde recordarmos situações familiares, passando por reflexões políticas e económicas, tudo vinha à minha mente. Procurava que tais pensamentos me motivassem mais e melhor para percorrer os quilómetros com a maior positividade, para vencer a competição ou conseguir o melhor resultado desportivo possível.

O que pensa da expressão  Deus não dorme? 

Deus está atento a tudo e a todos, sempre!

Costuma ter insónias? Adormece facilmente? É mais “coruja” ou “cotovia”?   

Não costumo ter insónias e adormeço facilmente, sou mais “cotovia”.

Houve momentos da sua vida em que o sono tenha sido bom conselheiro? Em que medida a ajudou?

Houve muitos momentos da minha vida em que o sono foi o melhor conselheiro. Depois de uma noite bem dormida, problemas que me acompanhavam eram mais facilmente solucionados.

Lembra-se de alguma história pessoal ou profissional divertida relacionada com o sono?

Recordo-me, principalmente na juventude, e depois de realizadas as competições desportivas, de ter vivido momentos de grande alegria com algumas galhofas que atletas, treinadores e dirigentes faziam uns aos outros. Naturalmente os que dormiam eram os mais afetados.

 

 

Comments are closed.