“Quase ninguém sonha com o que escreve ou pinta”

A escritora Marguerite Yourcenar fala sobre os sonhos no seu livro “De olhos abertos”, conversa com o crítico literário Matthieu Galey.  

“Sonha-se um pouco como se escreve, seguindo o mesmo estilo. Uma coisa muito curiosa, pelo menos na minha experiência e na de algumas pessoas que interroguei, é que quase ninguém sonha com o que escreve ou pinta. Sonha-se em paralelo. Muito poucas pessoas parecem sonhar com aqueles que amaram, por exemplo os pais, logo depois da sua morte. Sonham com eles às vezes vinte ou quarenta anos mais tarde. Há aí indícios que poderiam conduzir a qualquer coisa. Acho que, antes de se formular teorias, o importante seria multiplicar as investigações sobre o sonho”.

in De Olhos Abertos, Marguerite Yourcenar, Relógio D’ Água Editores, 2011

You must be logged in to post a comment