“Que noite a de ontem”

O poeta e escritor José Gomes Ferreira descreve várias insónias no seu diário, de forma crua ou irónica:

 “Que noite a de ontem! Como um chicote embainhado nos nervos que me acordaram com uma correia trémula sempre que, derretido de cansaço, me preparava para  adormecer”.

“E a insónia implacável a impedir que nascesse a manhã.”

17 de Janeiro de 1970

in José Gomes Ferreira, Dias Comuns, Volume VIII, Editora Dom Quixote, Lisboa 2017

You must be logged in to post a comment