O Sonho de Bob Dylan

É uma das canções compostas pelo Prémio Nobel da Literatura,  Bob Dylan, um sonho “enquanto viajava num comboio rumo ao oeste”

 

“Enquanto viajava num comboio rumo ao oeste

Deixei-me dormir para descansar

Sonhei um sonho que me entristeceu

Sobre mim próprio e os primeiros poucos amigos que tive

 

Com os olhos meio húmidos olhei demoradamente o quarto

Onde os meus amigos e eu passámos muitas tardes

Onde nós juntos resistimos a muitas tempestades

Rindo e cantando até ao romper do dia

 

Junto ao velho fogareiro de madeira de onde pendiam os nossos chapéus

As nossas palavras eram ditas, as nossas canções cantadas

Onde não ansiavámos por nada e estávamos bem felizes assim

Falando e gracejando sobre o mundo lá fora

 

Com corações assombrados pelo calor e pelo frio

Nunca pensámos podermos alguma vez envelhecer

Pensávamos poder para sempre ficar a divertir-nos

Mas na verdade as nossas hipóteses eram de um para um milhão

Tão fácil como distinguir o preto do branco

Era igualmente fácil distinguir o certo do errado

E as nossas escolhas eram escassas e jamais nos ocorreu

Que a única estrada onde viajávamos se ia despedaçar e dividir

 

Quantos anos passaram e se foram

E tanta jogada se perdeu e se venceu

E tantos amigos se fizeram a tanta estrada

E cada um deles não mais voltei a ver

 

Desejo, desejo, desejo em vão.

Que púdessemos simplesmente sentarmo-nos naquele quarto outra vez

Dez mil dólares num abrir e fechar de olhos

Tudo eu daria com prazer se as nossas vidas pudessem ser assim”.

 

In Bob Dylan, Canções, Volume I (1962-1973), Relógio d’Água, Lisboa 2006

 

You must be logged in to post a comment