Vitamina D e Covid-19

Dois estudos têm sido citados nas últimas semanas sobre a relação entre as taxas mais altas de mortalidade por Covid-19 e a falta de Vitamina D.

O primeiro estudo da Universidade de Turim, refere que “a obtenção de níveis plasmáticos adequados de vitamina D é essencial para evitar

numerosas patologias crônicas que podem reduzir a esperança de vida na população idosa mas também para determinar uma maior resistência à infecção por COVID-19 que, embora com menos evidências científicas,

pode ser considerado provável. A melhoria dos níveis de vitamina D pode ser alcançada principalmente com a exposição à luz solar e também com ingestão de alimentos ricos em vitamina D”, como o salmão, os ovos e os cogumelos.  .

Pode consultar o estudo da Universidade de Turim no seguinte endereço electrónico:  

https://www.unitonews.it/storage/2515/8522/3585/Ipovitaminosi_D_e_Coronavirus_25_marzo_2020.pdf

O segundo estudo, da Universidade de Northwestern sugere que o risco de casos graves de Covid-19 entre pacientes com falta acentuada de Vitamina D comparando com pacientes de Covid-19 com níveis normais de vitamina D é superior em 14,6 por cento.      

Pode consultar o estudo da Universidade de Northwestern no seguinte endereço electrónico:  

https://news.northwestern.edu/stories/2020/05/vitamin-d-appears-to-play-role-in-covid-19-mortality-rates/

Teresa Paiva, neurologista e especialista em medicina do sono refere ao iSleep que “a falta de vitamina D num país cheio de sol é no mínimo estranho”.

“Em Portugal esse défice tornou-se quase epidémico. Muitas pessoas, já antes da Pandemia Covid-19,  perderam o hábito de ir para o jardim com os filhos, de passear na rua, de andar ao ar livre – e a produção de vitamina D não é feita, uma vez que requer a estimulação da luz solar”, acrescenta.

“Muitos doentes com queixas de depressão, de  fadiga ou de insónia apresentam esta carência”, adianta.

“A vitamina D também costuma estar por regra baixa nos doentes idosos, que não saem de casa ou vivem em lares”, refere.