“Contou 59 degraus e mergulhou num sono merecido”

O escritor norte-americano Amor Towles coloca Aleksandr Ilitch Rostov, personagem do seu romance “Um Gentleman em Moscovo”, a contar degraus em vez de carneiros para dormir:

“Diz-nos a sabedoria popular que, quando o desfilar das nossas preocupações interfere com a nossa capacidade de adormecer, o melhor remédio é contar ovelhas num prado. Como preferia o borrego untado com ervas aromáticas e servido com uma redução de vinho tinto, o conde optou por uma metodologia completamente diferente. Enquanto ouvia Sofia respirar, regressou ao momento em que acordara no soalho duro e, reconstituindo sistematicamente as suas várias visitas ao átrio, ao Piazza, ao Boiarski, à suite de Anna, à cave, ao gabinete de Marina, calculou cuidadosamente quantos lances de escadas tinha subido e descido ao longo do dia. Mentalmente, subiu e desceu, contando lance atrás de lance, até que, com a subida final rumo ao relógio que só tocava duas vezes ao dia, chegou a um total de cinquenta e nove… e nesse momento mergulhou num sono merecido”.

Um Gentleman em Moscovo, Amor Towles, editora D. Quixote, Lisboa, 2018

Partilhar: