“No Neolítico faziam-se camas com várias camadas de ervas para afastar os insectos”

Teresa Paiva foi uma das convidadas do programa, “As coisas em volta – a vida misteriosa dos objectos”, da RTP 2, desta vez inteiramente dedicado ao objecto cama.

A neurologista e especialista em medicina do sono falou sobre a natureza e a evolução deste objecto ao longo da história.

“As pessoas dormiam no chão em cima de ervas no período neolítico mas já com a preocupação de as camadas de ervas serem altas para afastar os insectos”. No entanto, é preciso não esquecer que “os macacos já faziam camas há 5 milhões de anos, antes dos humanos”, disse Teresa Paiva.

“Os antigos egípcios já tinham camas elevadas do solo e diferentes conforme a classe social, douradas para as classes mais altas, enxergas no chão para as classes mais baixas”, referiu.

“A cama está muito associada à noção de poder. Quando vemos os filmes sobre a época do Luís XIV ou da da Maria Antonieta,  os cerimoniais do deitar do rei e da rainha são uma coisa impressionante. Têm a ver com a afirmação das hierarquias do poder real em relação às próprias aristocracias. Tudo isto acaba com a Revolução Francesa”, adiantou.

Teresa  Paiva falou ainda da evolução histórica do regime de sono.

“No período da Renascença, antes da Revolução Industrial, havia o primeiro e o segundo sono, as pessoas deitavam-se cedo, com o anoitecer, dormiam umas tantas horas e aí por volta das três ou quatro da manhã acordavam, estavam  levantadas duas ou três horas, podiam conversar, rezar, ter relações sexuais, fazer trabalhos domésticos. Depois voltavam a dormir. Quando vem a Revolução Industrial percebe- se que este regime de sono é incompatível com a produtividade do trabalho e faz-se tudo para haver um sono sem interrupções. É daqui que vem a divisão entre oito horas de sono, oito horas de trabalho e oito horas de lazer”, concluiu a especialista do sono.

Pode ver o programa televisivo no seguinte endereço electrónico:

https://www.rtp.pt/play/p9808/e601928/as-coisas-em-volta-a-vida-misteriosa-dos-objectos

Partilhar: