“A consciência maravilhada do sono”

A escritora francesa, Simone de Beauvoir, fala sobre o despertar de Françoise, personagem do seu romance “A Convidada”

“Françoise abriu os olhos; gostava destes despertares que não a arrancavam ao seu repouso, mas lhe permitiam tomar dele uma consciência maravilhada; nem sequer precisava de mudar de posição, estava já sentada; acabara por se habituar a dormir assim, o sono já não era para ela uma retirada voluptuosa e feroz, era uma actividade entre outras, que se exercia com a mesma atitude que as demais. Olhou sem pressa as laranjas, os livros que Pierre empilhara na mesinha de cabeceira; um dia calmo estendia-se ociosamente à sua frente.”

in Simone de Beauvoir, A Convidada, Publicações Dom Quixote, Lisboa 1989

 

 

Partilhar: