“A pandemia pôs os portugueses a sonhar mais”

Teresa Paiva deu uma entrevista à revista Sábado sobre os efeitos das medidas restritivas Covid-19 no sono e na saúde, tendo como motivo o estudo  Covid, Sono, Saúde e Hábitos, liderado pelo Centro de Electroencefalografia e Neurofisiologia Clínica, o seu laboratório de sono, com a participação de dezenas de investigadores e instituições.     

Com a Covid-19 “descobrimos que os adultos sonharam mais do que os jovens e mais do que os velhos. Em absoluto, sonhou-se mais”, referiu a neurologista e especialista em medicina do sono.  

“Os adultos passaram a sonhar mais, provavelmente por estarem mais preocupados. É preciso fazer uma ressalva: os mais velhos que responderam estão na casa deles, como eu, não estão em lares”, acrescentou.


“Os erros alimentares aumentam muito os pesadelos. Foi uma descoberta que fizemos com este estudo e que agora vamos analisar em detalhe. Fizemos uma análise da frequência com que se comiam alimentos recomendados e não recomendados pela Direcção-Geral da Saúde (DGS) e percebemos que quanto menos coisas recomendadas se comiam pior a qualidade do sono e maior o número de pesadelos. E as coisas recomendadas são as frutas, vegetais, laticínios, ovos, frutos secos. Também percebemos que em Portugal muito pouca gente come frutos secos. A importância da alimentação nos pesadelos garantidamente surpreendeu-me”, adiantou Teresa Paiva.

Pode ler a entrevista na íntegra no seguinte endereço electrónico:

https://www.sabado.pt/vida/detalhe/teresa-paiva-a-pandemia-pos-os-portugueses-a-sonhar-mais?ref=hp_destaquesprincipais