“Acordava em sobressalto, com as duas mãos juntas, apertadas contra o peito”

O escritor francês Émile Zola (1840-1902) escreve sobre o sono e os sonhos da personagem Angélica, de 16 anos, do seu romance “o Sonho”

“Principalmente à noite tinha sonhos deliciosos, via sombras a passar, desfalecia com delíquios, que ela se não atrevia a recordar ao voltar a si, confusa por essa felicidade que os anjos  lhe davam. Às vezes no fundo do seu grande leito, acordava em sobressalto, com as duas mãos juntas, apertadas contra o peito; e tinha de saltar com os pés descalços para o chão do quarto, tão abafada estava; corria a abrir a janela e para ali ficava, a tremer, perdida nesse banho de ar fresco, que a acalmava”

in Émile Zola, o Sonho, Guimarães Editores, Lisboa

Partilhar: