“No incerto momento em que adormeço”

O poeta Fernando Pinto do Amaral escreve um poema sobre o sono, intitulado sugestivamente Fronteira, como se dividisse o sono da vigília

“É doce
a tentação do labirinto
assim que o sono chega e se propaga
ao contorno das coisas. mal as sinto
quando confundo a onda sempre vaga

deste falso cansaço que regressa
ao som da minha estranha e dócil fala
cada vez mais submersa como essa
pequena luz da rua que resvala

pelo interior da noite. É quase um sonho
A respirar lá fora enquanto o quarto
se dilui na fronteira que transponho
e afoga a consciência de onde parto

agora sem direito nem avesso
no incerto momento em que adormeço”.

Partilhar: