“As noites mais mal dormidas foram em Agosto de 1991, na tentativa de derrube de Gorbatchev”

 

José Milhazes, jornalista, correspondente em Moscovo durante vários anos, ainda no tempo da URSS, lembra que  “teve de madrugar nas bichas” e que passou “várias horas a fio nelas” para comprar bens essenciais que faltavam. As suas noites mais mal dormidas, em virtude da cobertura jornalística,  foram durante a tentativa dos comunistas ortodoxos de depor o presidente Mikhail Gorbatchev entre 19 e 21 de Agosto de 1991.

Quais as noites mais mal dormidas em virtude da cobertura jornalística de acontecimentos políticos soviéticos ou russos no tempo em que foi jornalista correspondente em Moscovo?

As noites foram muitas, pois vi-me no epicentro de acontecimentos muito importantes. As mais mal dormidas foram, talvez, as de Agosto de 1991, quando da tentativa dos comunistas ortodoxos soviéticos derrubarem o Presidente Gorbatchev.

Vladimir Putin disse que quando ele está a dormir, o hoje primeiro-ministro Medvedev está acordado e essa é uma forma de governar um extenso país com vários fusos horários. É só uma “blague” ou tem um fundo de verdade?

É uma das muitas declarações de Putin para mostrar o seu “humor”.

Muitos políticos referem que dormem pouco. Quando há estudos científicos que referem que a privação do sono sistemática pode perturbar seriamente a concentração e a capacidade cognitiva, devemos sentir-nos tranquilos face às decisões cruciais que os políticos tomam?

A julgar pelo mundo actual, acho que é difícil ficar tranquilo face aos políticos mesmo que eles durmam mais do que a norma.

Quando viveu na Rússia foi fácil a adaptação em face da diferença horária em relação a Portugal? E como foi no regresso a Portugal? 

Quando da ida para a URSS, foi difícil habituar-me às noites brancas, mas é uma questão de tempo. No regresso a Portugal, acordo um pouco mais cedo do que os restantes portugueses.

Ainda no tempo da URSS, quando já vivia em Moscovo com a família, tinha problemas em comprar certos bens essenciais em virtude da crise política e económica? Era preciso madrugar e ir para as bichas?

Houve um dia em que tive de madrugar nas bichas e passei várias horas a fio nelas.

Já escreveu num dos seus livros sobre a revolução portuguesa que no PREC a URSS foi mais sensata que o PCP…. Num artigo do “Avante” de 13 de Novembro de 1975, por ocasião do aniversário da Revolução Russa ainda se escrevia: “insistimos em afirmar, tanto como nosso propósito como nossa esperança, que aqui, em Portugal, o nosso Outubro chegará também”…  

Um partido revolucionário existe para fazer revoluções e tomar o poder. No caso português, os “camaradas portugueses” foram mais sensatos do que o que estava escrito no “Avante”.

O 25 de Novembro foi uma noite sem sono para os comunistas? 

Acho que não, pois já não tinham mais nada a fazer no que respeita à conquista do poder.

Lançou recentemente o livro “O Favorito Português de Pedro O Grande”. Quais as condições que permitiram a vários portugueses terem tanto sucesso na Rússia?   

Trabalho, competência e honestidade.

Este “favorito português”, de nome António Manuel Luís Vieira acabou, de acordo com a investigação que fez, desterrado na Sibéria. Em que condições viveu? 

Na Sibéria, viveu em condições terríveis, mas conseguiu regressar depois de 15 anos de desterro e morreu dois anos depois do regresso entre a família e politicamente reabilitado.

O que pensa da expressão Deus não dorme?

Eu acrescento apenas que ele pode por vezes andar um pouco distraído, ou ocupado demais.

Costuma ter insónias?

Felizmente ainda não.

Estudou num seminário dos 12 aos 15 anos. Como eram os hábitos de sono?

Deitávamo-nos cedo demais e levantávamo-nos também cedo de mais. Mas habituei-me.

Lembra-se de alguma história pessoal ou profissional divertida com o sono ou a falta dele? 

Na madrugada do dia 19 de Agosto de 1991, uma colega minha da TSF telefonou-me para dizer que estava a ocorrer algo de anormal em Moscovo. Eu estava a dormir, disse-lhe que fosse fazer brincadeiras com outro, claro que em palavras menos literárias, e pousei o auscultador. Só à segunda tentativa é que compreendi que não se tratava de uma brincadeira e claro que lhe pedi desculpa.

Pode contar-nos um sonho fantasioso que tenha tido?

Quando estudava no seminário, sonhei que Deus veio falar comigo e disse-me  que eu não estava no lugar certo. No dia seguinte, tomei a decisão de mudar radicalmente de vida.

 

 

 

 

 

 

Partilhar: