“É bom dormir ao deus-dará”

O escritor e poeta David Mourão Ferreira escreve um poema de amor envolto  no sono e Lisboa.

 

“Mas quem diria ser Outono

se tu e eu estávamos lá?

(Tínhamos sono… Tanto sono!

É bom dormir ao deus-dará…)

 

E sobre o banco do jardim,

ante a cidade, o cais e o Tejo,

seria bom dormir assim,

ao deus-dará, como eu desejo…

 

Mas o teu seio é que não quis:

tremeu de mais sob o meu rosto…

Agora, nu, será feliz,

sob o afago do sol-posto…

 

Seria Outono aquele dia,

nesse jardim, doce e tranquilo…?

Seria Outono…

Mas havia

todo o teu corpo a desmenti-lo”.

in David Mourão Ferreira, Obra Poética, Editorial Presença, Lisboa 1996