“Carlos Drummond de Andrade tinha medo de morrer a dormir”

Leonor Xavier

Leonor Xavier, escritora e jornalista, viveu muitos anos no Brasil e conheceu de perto grandes vultos da lusofonia, entre eles Carlos Drummond de Andrade, considerado por muitos o melhor poeta brasileiro do século XX, e o ensaísta português Agostinho da Silva.

Fez muitas entrevistas ao longo da sua carreira jornalística. Qual foi a pessoa que gostou mais de entrevistar?

Dois entrevistados, Carlos Drummond de Andrade e Agostinho da Silva.

Há algum momento peculiar, envolvendo o sono, que recorde numa entrevista?

Carlos Drummond de Andrade disse-me que tinha medo de morrer a dormir.

Viveu vários anos no Brasil. Apercebeu-se de hábitos de sono diferentes dos portugueses?   

No Brasil, acorda-se muito mais cedo, a vida começa mais cedo, dorme-se menos.

Desfilou várias vezes no Carnaval do Rio de Janeiro. Que recordações guarda? 

Passar à frente da Bateria da Mangueira, ouvir a multidão nas bancadas, 200 mil pessoas a cantar o refrão do samba enredo. E a escola em que desfilei ser campeã.

Concorda com Eduardo Lourenço de que “o Brasil é o grande feito português”?

É uma verdade banal, que deixa de o ser por ser dita por Eduardo Lourenço.

Escreveu um livro sobre o PREC, Portugal “Tempo de Paixão”. Foram tempos sem sono para muitos?

Imagino que sim. Eu já estava em São Paulo. As comunicações não eram imediatas, as cartas demoravam, os telefones não existiam em todas as famílias. Só tivemos telefone em casa no ano de 1977.

Viveu em várias casas, no Brasil e em Portugal, e tem um livro sobre elas, “Casas Contadas”. Há alguma onde, por qualquer razão, tenha dormido melhor?   

Só depois dos 65 anos acordei durante a noite. Até esta altura sempre dormi com um sono profundo, independentemente das casas onde vivi.

Viveu vários anos com Raul Solnado. Ele também fazia humor com o sono e os sonhos? 

Contava sonhos, falava de sonhos.

Nos seus romances, o sonho tem sido motivo de inspiração?

Mais a realidade do que o sonho.

O que é que já lhe tirou o sono?

Estar doente, estar em cima de um prazo para acabar um texto ou um trabalho, ouvir barulhos inexplicáveis na casa no campo.

Já foi acordada às tantas da noite?    

Sim, pelo choro de bebés, filhos ou netos.

O que pensa da expressão Deus não dorme?

O povo é sábio. Deus está presente. Sempre.

O sono é bom conselheiro? Em que medida a tem ajudado?

Noite dormida é dia bom.

Tem comportamentos de higiene do sono como não beber café à noite, deitar e levantar a horas regulares, etc?

Sim, no dia a dia. Mas a vida tem fases diferentes e não corre sempre igual.

Costuma ter insónias? É mais “coruja” ou “cotovia”? 

Não costumo ter insónias. Já “dobrei” noites por causa de uma festa, do samba ou por causa do trabalho, a escrever.

Há alguma história divertida que recorde, no campo profissional ou pessoal, relacionada com o sono?

O Presidente Mário Soares adormecido enquanto recebia uma delegação de chineses, atónitos e em silêncio a observá-lo.

 

 

 

 

Partilhar: