O mau sono aumenta mesmo o peso

 

sono bulimia

Um estudo recente da Universidade de Chicago, nos EUA, sugeriu que as pessoas com privação de sono anseiam por doces e alimentos com alto teor em gordura, como as batatas fritas, em vez de alimentos mais saudáveis.

A investigação envolveu 14 homens e mulheres com 20 anos, divididos em dois grupos, que dormiram oito dias no laboratório do sono da universidade. Os sujeitos de um dos grupos dormiu em média sete horas e meia por noite. Os que integravam o outro grupo dormiu apenas quatro horas por noite. Durante o estudo, todos os participantes comeram refeições idênticas, com o mesmo teor de calorias, às nove horas da manhã, 14 horas e 19 horas.

Após a quarta noite do estudo, foi oferecido a todos os participantes uma variedade de snacks. O grupo privado do sono comeu-os avidamente, sobretudo ao final da tarde e início da noite, apesar de  terem comido duas horas antes uma refeição sólida. Já os sujeitos que dormiram sete horas e meia por noite comeram  a variedade de snacks moderadamente.  A diferença no consumo de snacks situou-se quase no dobro entre os dois grupos.

De forma a aprofundar o estudo, os investigadores analisaram as substâncias presentes no sangue dos participantes. No grupo com privação do sono,  os resultados mostraram níveis elevados de grelina, o  hormónio que estimula o apetite, e níveis baixos de leptina, o hormónio que dá ao cérebro sinais de que o estômago está saciado.  Estes resultados confirmam estudos anteriores.

Mas os investigadores norte-americanos foram mais longe no que respeita a outros marcadores biológicos, descobrindo que os sujeitos com privação do sono tinham níveis mais altos e mais persistentes de endocanabinóides 2- AG, uma substância química que leva as pessoas a terem prazer em comer mesmo quando não têm fome, especialmente alimentos com alto teor de gordura, actuando de modo semelhante  ao consumo de algumas drogas que também provocam níveis mais altos de endocanabinóides 2- AG.

Partilhar: