“Não atribuam a culpa à Covid, as crianças portuguesas têm maus hábitos de sono”

Teresa Paiva deu uma entrevista ao Diário de Notícias, onde falou sobre o sono em tempos de Pandemia Covid-19, o inquérito desenvolvido pelo seu centro de medicina do sono, o CENC, sobre a saúde, o sono, a alimentação, a atividade física e sexual durante a Pandemia e outros temas relacionados com o dormir e as Perturbações do Sono.   


A pandemia “melhorou o sono de uns e piorou o de outros. Muita gente melhorou porque pura e simplesmente começou a ter menos stress. E esses são os que faziam muitas horas de trabalho, iam levar e buscar os filhos à escola, andavam nas filas de trânsito. Essas pessoas deixaram de repente de ter esse stress no seu quotidiano e melhoraram muito. O sono piorou em média 10%. Nas respostas inicias há 40% que dizem que estavam fartos do confinamento, 15% que fizeram descobertas importantes e 30% dizem que se sentiram bem no confinamento. É uma percentagem importante”, disse a neurologista e especialista em medicina do sono.

A crise económica vai provocar “mais insónias do que a própria covid. Daqui para a frente penso que as coisas vão piorar. Durante o confinamento houve uma certa tranquilização das coisas. Houve pessoas que efetivamente melhoraram bastante e outras que ficaram iguais. O que estamos neste momento a fazer é tentar perceber o que levou as pessoas a melhorar ou a piorar, o que está subjacente a isso”, acrescentou.

“Não atribuam a culpa à covid, porque as crianças e os adolescentes portugueses têm hábitos de sono que não são bons, muito tardios, e depois têm de se levantar cedo para irem para a escola. Não aprendem, aprendem mal. Os alunos com privação de sono, seja por que razão for, têm mais insucesso escolar”, referiu.

“Vejo doentes com tudo e mais alguma coisa e vejo doentes muito graves. A queixa dominante são as insónias, o ressonar e a apneia do sono, depois são as pernas inquietas. E depois o deitar demasiado tarde ou o trabalhar por turnos”, adiantou.

Pode ler a entrevista na íntegra no seguinte endereço electrónico:

https://www.dn.pt/vida-e-futuro/nao-atribuam-a-culpa-a-covid-as-criancas-portuguesas-tem-maus-habitos-de-sono-12920881.html