“O sono é common sense, como tantas outras coisas na vida”

Teresa Paiva deu uma entrevista ao programa “Era o que faltava”, dos radialistas Rui Maria Pêgo e Ana Martins, da Rádio Comercial.

Durante mais de uma hora, a neurologista e especialista em medicina do sono falou de vários temas.

“Portugal é o país do mundo que se deita mais tarde. Mas mesmo assim  levantamo-nos cedo.  Temos uma  taxa de privação do sono superior a 20 por cento, uma percentagem de  pessoas que dormem menos de cinco horas, quando deviam dormir seis a sete horas.  As pessoas que não conseguem acordar de manhã é porque têm privação do sono, deitam-se tarde”, disse.

“Estamos adaptados ao planeta Terra.  A luz do sol da manhã, o estímulo da luz azul, faz-nos acordar. Daí que se usarmos telemóveis à noite, a  luz azul que emitem nos prejudique o sono. O excesso de multimédia é muito mau para o sono” referiu.

“Não se deve dormir de menos nem de mais, o sono é ‘common sense’, como tantas outras coisas na vida. Não se deve comer de mais nem de menos, fazer exercício a mais ou a menos, é um paradigma do senso comum dos nossos actos quotidianos”, adiantou.

Teresa Paiva respondeu ainda a muitas questões de ouvintes sobre os problemas do sono.

“Mesmo depois do bebé começar a dormir bem, os pais continuam a dormir mal, há um reflexo condicionado para não dormir que os afecta, pavloviano, um reflexo negativo em relação ao sono”.

“As pessoas noctívagas têm de ter um cuidado especial para não resvalar na hora de deitar”.

“Sonhar pouco é sinal que se dorme bem. Para nos lembrarmos dos sonhos temos de acordar”.

Pode ouvir a entrevista na íntegra no seguinte endereço electrónico:

https://radiocomercial.iol.pt/podcasts/era-o-que-faltava/t2/teresa-paiva

Partilhar: