“O sono é sempre bom conselheiro. Má conselheira é a vigília”

frei bento 1Frei Bento Domingues, 80 anos, frade dominicano, pensador e cronista diz ao iSleep que acredita num Deus que não dorme e “não se cansa de olhar pela nossa felicidade”. Na Bíblia recorda o momento em Jesus Cristo está a dormir antes de acalmar a tempestade.

Jesus Cristo dorme segundo os Evangelhos?

No Evangelho Segundo São Mateus (Mateus 8:23-27) Deus dorme antes de acalmar a tempestade. “Entrando ele no barco, os discípulos o seguiram. De repente abateu-se uma violenta tempestade sobre o mar, de forma que as ondas inundaram o barco. Jesus, porém, dormia. Os discípulos foram acordá-lo, pedindo: Senhor, salva-nos! Vamos morrer! Ele perguntou: Por que razão estão com tanto medo, homens de pouca fé. Então Ele levantou-se e repreendeu os ventos e o mar e fez-se bonança”.

O que pensa do provérbio Deus não dorme?

Depende. Se for interpretado no sentido em que Deus é o grande olho de um polícia eterno, é horrível. Mas se for a vigília de um Deus que não se cansa de olhar pela nossa felicidade, é o Deus do Novo Testamento. Nesse acredito!

Aristóteles escreveu sobre o sono e a vigília no Parva Naturalia há mais de 2 mil anos…

Não foi o primeiro! Há uma tradição muito antiga de pensar o sono e os sonhos em várias culturas milenares. Por exemplo, na cultura africana bantu, o sonho tem há centenas de anos um papel  fundamental, ainda hoje muito presente na vida das pessoas. Muitos bantus quando se levantam em vez de perguntarem dormiu bem perguntam se sonhou bem. O sono é um aspeto fundamental na vida deles. Se sonharam com alguma coisa precisam depois ter a certeza se ela existe no real ou é pura fantasia. São capazes de fazer longas viagens só para  isto.

Descartes considerou que nunca parávamos de pensar, mesmo em sono profundo… Que significado dá a esta conclusão cartesiana?

A sua neuro-ciência  já foi estudada  por António Damásio. Não parece suficiente.

A literatura está cheia de referências ao sono, às perturbações do sono, aos sonhos…. Como as interpreta? 

Se a literatura esquecesse esta dimensão da vida, perdia algo essencial.

Proust descreve em quase 30 páginas a dificuldade de uma personagem em dormir…

Para um escritor tão minucioso não me parece exagerado.

Segundo a lenda britânica o Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda estão adormecidos numa caverna e acordarão quando a Grã-Bretanha precisar deles num momento de emergência nacional? É como o mito do nosso D. Sebastião que chega envolto em nevoeiro…?

O mito de D. Sebastião não tem essa precisão, tem muito nevoeiro.

Acontece-lhe acordar a meio da noite ou já de manhã com uma ideia? Costuma registá-la?

Sim. Mas nem sempre vale muito a pena…

Lembra-se de algum momento da sua vida em que o sono tenha sido bom conselheiro?

O sono é sempre bom conselheiro. Má conselheira é a vigília.

Já alguma vez contou carneiros? Ou ninguém conta carneiros? 

A minha  avó recomendava outras contas: as do Terço…

Freud disse que “o sonho é o fiel guardião da nossa saúde psíquica, da nossa alegria de viver, uma vez que a vida não passa de uma contínua procura do prazer, contrariada pela realidade”…    

Freud sabia muito. Mas nada como um bom sono.