“Os portugueses são o povo que menos dorme no mundo”    

Cátia Reis, cronobióloga no CENC, foi uma das palestrantes de um curso sobre o sono, intitulado “ “Diagnóstico Somnologia/Medicina do Sono” integrado no Congresso Lisbon Sleep Summit, que decorreu no CENC, a 15 de Maio.

A cronobióloga, com vasta experiência clínica na avaliação circadiana em atrasos de fase (o paciente tem tendência a deitar-se tarde, entre as duas e as três da manhã) e insónias disse que “segundo estudos internacionais os portugueses são o povo do mundo que menos dorme, pouco mais de seis horas”.

“As causas ainda não estão apuradas”, acrescentou.

As pessoas podem deitar-se tarde por vários motivos. Podem ter um atraso de fase ou podem estar expostas à luz solar ou artificial a horas mais tardias, o que inibe  a produção de melatonina, um hormónio que induz o sono. Um dos metódos de avaliação clínica de Cátia Reis consiste precisamente em  avaliar a quantidade de melatonina produzida nos  pacientes através da colheita sistemática de saliva.

A colocação de actígrafos no pulso dos pacientes, para avaliar a luz que apanham, os seus horários de sono e a actividade que têm ao longo de várias semanas é outro método de avaliação circadiana utilizado pela cronobióloga.

Cátia Reis referiu que “a exposição à luz solar da parte da manhã contribui para regular o ritmo circadiano e faz os pacientes dormirem mais cedo”.

Em casos em que as deficiências de luz solar são muito acentuadas, Cátia Reis utiliza a técnica de fototerapia para regular o ritmo circadiano dos pacientes e induzir mais cedo o sono.