“Os sonhos tiram um peso de cima das nossas labutas de vigília”

O poeta britânico Lord Byron, o maior dos românticos, escreve um poema sobre os sonhos.

“Os sonhos no seu desenvolvimento têm fôlego,

E lágrimas e torturas e  toque de alegria;

Deixam um peso nos nossos pensamentos despertos,

Tiram um peso de cima das nossas labutas de vigília

Dividem, de facto, o nosso ser; tornam-se

Uma parte de nós mesmos e do nosso tempo,

E parecem arautos da eternidade…

A mente pode criar

Substância e povoar planetas próprios

Com seres mais brilhantes do que os existentes e dar

Vida a formas que podem sobreviver a toda a carne”

 

Lord Byron, “O Sonho”