Privação do sono leva a confissões falsas

jet lag jeff

A privação do sono pode levar os indivíduos a confessar crimes que não cometeram sugere  um estudo norte-americano recente onde uma das investigadoras participantes foi a famosa psicóloga norte-americana, Elizabeth Loftus, que estuda há largos anos as memórias falsas.

Os investigadores pediram a 88 alunos para coligir dados em computador em duas sessões separadas por uma semana. Os sujeitos receberam  avisos repetidos de que se carregassem a tecla escape iriam apagar todos os dados dos pesquisadores.

Na noite após a segunda sessão, metade dos participantes dormiram no laboratório e os outros foram mantidos acordados com jogos electrónicos, televisão e vídeo.

Na parte da manhã, os participantes foram convidados a assinar uma declaração falsa alegando que haviam carregado na tecla de escape. Metade dos indivíduos privados de sono assinou a declaração, em comparação com apenas 18 por cento dos indivíduos que tinham dormido descansadamente.

Num país como os EUA em que 17 por cento dos interrogatórios criminais ocorrem durante as horas normais de sono, entre a meia-noite e as oito da manhã, e em que se estima que as condenações injustas no país , baseadas em falsas confissões, representem entre 15 a 25 por cento das condenações totais, este estudo tem grande pertinência, demonstrando que a privação do sono aumenta a probabilidade de uma pessoa confessar crimes e irregularidades que não cometeu.

 

 

 

Partilhar: