Sabia que …

“A cama grega, a “kline”, era uma estrutura de madeira montada em pernas torneadas, rectangulares ou esculpidas em forma de animal, decorada com ornamentos preciosos. Durante as reuniões sociais, somente os homens e as cortesãs as podiam usar.  Tinha uma cabeceira baixa, colchão e almofadas e usava-se tanto para dormir como para descansar durante os momentos de ócio. (…)

Os romanos tinham uma cama diferente (lectus) para cada fim. As formas destas camas não variavam muito; as pernas eram torneadas e a maioria tinha entalhes e ornamentos de bronze. Na escuridão do quarto (no cubiculum , geralmente na parte mais recôndita da casa), a cama de dormir romana usava-se por vezes como cama de ler não muito apropriada. (…)

Do século XV ao século XVII, a melhor cama era o objecto mais valioso quando uma propriedade era confiscada. Livros e camas eram os bens móveis mais valiosos (sabe-se que Shakespeare deixou em testamento à sua mulher, Anne Hathaway, a “sua segunda melhor cama”), que, ao contrário da maior parte dos bens, podia pertencer a membros individuais da família.”

In Uma História da Leitura, Alberto Manguel, Editora Presença