“São muito vastas as noites de insónia”

O poeta Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas (1923-2005), escreve um poema sobre a insónia. 

 

“São muito vastas as noites de insónia, quase sempre atravessadas por um rio. Quando não chove, confusamente dispo-me atrás dos amieiros e abandono-me à corrente. Sigo para o sul, que é para onde correm todos os rios, pelo menos os meus”.

 

in Eugénio de Andrade, Poesia e Prosa

 

 

Partilhar: