Sono em excesso aumenta risco de demência

Homens e mulheres com mais de 72 anos anos que dormiram mais de nove  horas nos  últimos dez anos apresentaram o dobro do risco de desenvolver várias formas de demência, incluindo doença de Alzheimher, segundo um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston publicado no jornal Neurology, da Academia Americana de Neurologia. As demências são caracterizadas por uma acumulação de beta amilóide, uma proteína tóxica que forma placas no cérebro.

As conclusões do estudo, que envolveu o acompanhamento durante dez anos de 2457 pessoas, não apontam para que o dormir demais seja causa das demências mas sim que a duração prolongada do sono pode ser um marcador de neurodegeneração precoce e, nesta medida, uma ferramenta clínica muito útil para identificar homens e mulheres na velhice com maior risco de progressão da doença.