Sono piora com a idade e mulheres são as mais afectadas

Um estudo japonês, envolvendo 68604 participantes entre os 18 e os 89 anos, uma das maiores amostras alcançadas, demonstrou diferenças significativas no tempo, duração e qualidade do sono, face à idade e género.

Os resultados indicam que o tempo de permanência na cama e o tempo total de sono (TT) diminui à medida em que a idade aumenta. Há, no entanto, especificidades. Por exemplo, nos idosos o TT aumentou em relação aos adultos de meia idade.

Verificou-se uma alteração significativa no deitar mais tarde e acordar mais cedo com o aumento da idade (> 20 anos), bem como degradação da qualidade do sono, avaliada pela eficiência do sono (o tempo que se dorme efectivamente) e a hora de acordar após o início do sono.

Na comparação de género, o tempo na cama e o tempo total de sono (TST) foi mais curto nas mulheres do que nos homens com idades semelhantes, sendo um fenómeno muito evidente após os 30 anos de idade.

As diferenças do estudo, publicado recentemente na revista Nature, foram atribuídas a várias causas, ligadas intrinsecamente interligadas, como o  envelhecimento biológico e fatores socioculturais e sócio-familiares no Japão.

Partilhar: